Tríade Aromaterapêutica ou Terapêutica

Falei sobre esse tema em um bate papo aromático do Conaroma, e achei importante trazer o tema aqui para o Blog, pois na época tinha como foco futuros terapeutas, mas precisamos também falar para aquele que pensa em fazer um tratamento: o paciente.


Primeiro vamos entender o que faz parte desta tríade, usei esse termo para indicar as três partes envolvidas: aromaterapeuta ou terapeuta, técnica utilizada, e paciente que costumamos chamar de interagente.


Vamos destrinchar as partes desta tríade, o interagente em geral busca ajuda, pois percebeu que algo não está bem. Só para dar alguns exemplos, a questão pode ser uma condição física, clínica, emocional, mental ou até mesmo energética e espiritual. Ou seja, podemos falar dos mais diversos casos indo desde psoríase, artrose, ansiedade, luto, estresse, depressão, falta de memória, TOC, até mesmo falta de energia, pensamentos obsessivos, enfim as queixas podem ser diversas e inclusive coexistirem.


Já o terapeuta pelo seu lado é alguém que estudou e está apto a atuar nesses casos, ele pode até ter uma área de atuação em que tenha mais afinidade, mas em geral os terapeutas de práticas integrativas possuem uma visão holística do ser, o que quer dizer que ele vai se atentar a todas as partes do interagente, a fim de identificar a causa da queixa, trabalhando no reconhecimento, aceitação, compreensão, consciência e devido tratamento dos problemas através da técnica.

Para se ter ideia um aromaterapeuta certificado pela Abraroma, implica que ele estudou no mínimo 260 horas e possui mais 140 horas de estágio ou estudos de caso, e ainda passou por uma avaliação final.


Ressaltando que a técnica utilizada pode ser a aromaterapia através dos óleos essenciais, mas também outras técnicas das práticas integrativas ou não. Hoje o SUS reconhece 29 técnicas, fora aquelas que ainda não foram reconhecidas, mas podem ser muito efetivas dependendo do caso. Podemos ainda considerar técnicas reconhecidas e também consagradas, como tratamento com psicanalista ou psicólogo, enfim os mais diversos.


E vamos começar por aí, pelo dependendo do caso, pois para um problema que o interagente toma consciência e busca um terapeuta, este irá avaliar a técnica e os meios que serão mais eficientes para tratar aquele caso, podendo inclusive associar diferentes técnicas e tratamentos. Exatamente um terapeuta que trabalha com uma visão holística muitas vezes utiliza muitas técnicas.

Mas muito além disso, o terapeuta irá avaliar todo histórico do interagente, tentar achar os pontos da vida onde aquilo surgiu, ou seja as causas. Então, o tratamento é algo completamente personalizado. Um profissional experiente e apto pode por exemplo, escolher um tratamento que amenize questões físicas e emocionais ao mesmo tempo.


Na aromaterapia usamos um termo que é sinergia que ao contrário do que alguns pensam, não significa apenas a simples associação de óleos essenciais, mas uma associação que potencializa os efeitos de cada componente, que representa mais do que o poder isolado de cada um. E o mesmo podemos dizer sobre a relação terapêutica, essa tríade que deve ser uma sinergia por si só. Representa uma aliança de esforços simultâneos onde o resultado é potencializado.


Desde esse bate papo onde criei o termo tríade, na época foi até engraçado pois tive que explicar minha ideia para as pessoas que iam divulgar o evento, percebi um boom no uso da palavra no Brasil, sim eu já havia escutado e lido algumas reflexões sobre o tema. Fico feliz de estarmos integrando o termo tríade da aromaterapia, ou tríade terapêutica, pois acredito que a sua importância foi reconhecida, espero que este conceito tenha lhe ajudado a compreender essa dinâmica única e tão importante, seja você interagente ou terapeuta. Por isso vou ainda falar mais sobre isso em novos posts.


E se tiver vontade de assistir à gravação do bate papo segue o link.





17 visualizações

Posts recentes

Ver tudo